Habilitar ou reabilitar deficientes visuais portadores de deficiência visual ou com baixa visão, torna-los independentes e promover sua integração à sociedade são os objetivos do trabalho desenvolvido pela Reabilitação do Instituto Luiz Braille.

Para que isso seja possível, uma equipe composta por profissionais do Serviço Social, Pedagogia, Fonoaudiologia, Psicologia, Terapia Ocupacional, Fisioterapia, Orientação e Mobilidade e Funcional da Visão atende os assistidos, que chegam ao Braille com meses de vida. Conheça o trabalho de cada área:

Serviço Social

Tem como principal papel garantir a acolhida da pessoa com deficiência visual e seus familiares na entidade, por meio da análise socioeconômica e da avaliação de suas necessidades a curto, médio e longo prazo. Além disso, realiza a orientação e o acompanhamento contínuo dos casos para que a intervenção social esteja adequada à realidade de cada assistido;

Pedagogia

A Pedagogia atua nos seguintes segmentos:

  • Intervenção pré-escolar: as atividades ofertadas na educação infantil priorizam a estimulação das áreas sensório-motoras, sócio-emocional, desenvolvimento da linguagem e psicomotor. As atividades são propostas por meio de objetos sonoros e táteis para exploração e reconhecimento de estímulos auditivos, táteis e sinestésicos
  • Alfabetização Braille: o ensino da metodologia Braille visa à alfabetização, o conhecimento da técnica de leitura e escrita, manejo da reglete e máquina Braille e a utilização do conhecimento através dos exercícios de leitura e escrita
  • Soroban: desenvolve o raciocínio lógico–matemático por meio de cálculos matemáticos efetuados no instrumento. Além da aprendizagem da utilização do instrumento, são feitos os registros em Braille dos resultados numéricos
  • Informática: o acesso à informática para alunos cegos e com baixa visão é realizado por meio do uso de recursos oferecidos por softwares especialmente preparados. Esses softwares suprem a deficiência visual através de recursos sonoros, oferecendo um retorno sonoro das informações mostradas no vídeo
  • Apoio escolar: auxilia os assistidos que frequentam a sala regular de ensino com suas dificuldades escolares, além de incentivar a escolarização
  • Inclusão Escolar: visa fornecer técnicas e estratégias adequadas para um aproveitamento escolar satisfatório. Este trabalho é realizado através de visitas regulares às unidades de ensino, orientando profissionais e observando o aluno em seu ambiente escolar
  • Adaptação e preparação de materiais: dá aos assistidos a oportunidade de realizarem seus estudos de forma mais autônoma possível, gerando um melhor desempenho escolar, inclusive com a transcrição e ampliação de materiais.

Fonoaudiologia

Tem como objetivo propiciar melhor qualidade de vida à pessoa com deficiência visual, adequando e aprimorando a comunicação e promovendo a prevenção da saúde auditiva e vocal, por meio da estimulação da linguagem, da fala, auditiva e da comunicação escrita; da adequação do sistema estomatognático (órgãos fonoarticulatórios e funções de respiração, sucção, deglutição e mastigação), da reabilitação vocal e das linguagens oral e escrita e das orientações familiar e escolar.

Psicologia

Busca ajudar a pessoa com deficiência visual e sua família a conviver com a nova condição, de forma a se inserir ou se reinserir na sociedade.

No caso de um indivíduo adulto, a perda da visão requer a utilização de recursos psíquicos importantes para a sua adaptação, o que influencia em todos os aspectos de sua vida. A nova condição pode acarretar em mais perdas, envolvendo, por exemplo, o trabalho, a independência, as habilidades na vida diária (como se vestir e alimentar-se), a comunicação escrita e até o lazer.

Com tantas limitações, as frustrações se intensificam e uma desorganização na personalidade e na autoestima são verificadas. É necessário, então, o acompanhamento psicológico para a adaptação à deficiência visual.

Já quando a perda visual é congênita, isto é, a criança nasce cega, os pais devem ser orientados pelo setor de Psicologia a perceber que a criança tem habilidades de aprendizado e que precisa de estimulação desde os primeiros dias de vida. Crianças com deficiência visual usam a audição, o olfato, as mãos e todo o corpo para aprender sobre o mundo.

Funcional da Visão

Tem a finalidade de oferecer às pessoas com deficiência visual total ou baixa visão a percepção luminosa, estímulos e materiais adequados que proporcionem um melhor uso de seu resíduo visual, resultando em mais qualidade de vida e desenvolvimento.

A equipe realiza a avaliação funcional da visão; o desenvolvimento das funções visuais; a estimulação da coordenação visomotora, da atenção visual e a utilização adequada do resíduo visual; o treino de auxílios ópticos; a orientação familiar e o suporte para alunos em escolas e creches, de forma a promover a inclusão.

Terapia Ocupacional

Tem como objetivo auxiliar a pessoa com deficiência visual a ser independente em suas ações do dia a dia e a ter uma vida funcional, exercendo seus direitos e deveres de cidadão.

Este trabalho é realizado por meio de atividades que trabalham a coordenação motora fina e grossa, a orientação espacial, a área sensorial, o equilíbrio e a percepção, de modo a preparar a pessoa para a próxima etapa: a independência nas atividades de vida diária (cuidados com a higiene, alimentação e organização da casa, entre outros).

Fisioterapia

A fisioterapia auxilia na reabilitação da pessoa com deficiência visual em todas as fases da vida, estimulando a coordenação motora, a força muscular e o equilíbrio, de forma a ajudar nas atividades do cotidiano, promover a independência e gerar mais qualidade de vida.

Orientação e mobilidade

A Orientação e Mobilidade reúne técnicas provenientes da educação física e da fisioterapia, sistematizadas sob uma orientação didático-pedagógica que tem por finalidade inserir (ou reinserir) a pessoa com deficiência visual ou com visão subnormal na prática autônoma ou semiautônoma do deslocamento espacial, com o auxílio de guias videntes ou da bengala longa.

Sua finalidade é conceder o máximo de autonomia para pessoas com deficiência visual, considerando suas especificidades, competências e condições físicas e emocionais.

Oficinas de Arte e Literatura

As Oficinas de Arte e Literatura realizadas no Instituto Luiz Braille são promovidas pela Associação Mulher Unimed Jundiaí (AMU), entidade sem fins lucrativos que visa o desenvolvimento de ações sociais e projetos à comunidade, por meio de trabalho voluntário, sendo o principal o Programa Vida Iluminada.

Em Jundiaí, fazem parte do Programa o Concurso Literário, o Coral e as Oficinas de Arte e Literatura que ocorrem no Braille, parceiro nos objetivos de todos os projetos.

As oficinas propõem-se a um trabalho para deficientes visuais em uma vivência com narrativas, poesia, música, escultura, desenho e pintura, com foco em proporcionar a formação integral do ser sensível e emocional.


0
0
0
0